O repúdio a Alex Castro

O meu amigo Alex Castro escreve, entre tantos outros sites, no da Revista Forum, sobre os temas que lhe são caros. Não tenho certeza se foi exatamente isso, mas suponho que tenha sido justamente o artigo em que ele declara não poder ter o protagonismo das causas que defende, por não ser originado dos segmentos com os quais tem empatia, que passou a ser acusado por pessoas desses mesmos segmentos de tentativa de roubar o protagonismo. Eis o artigo: Leia o resto deste post no Livros e Afins.

“Diversão”

Domingo, passei pelo Largo da Ordem, à tarde. Havia uma fila gigantesca para um lugar barulhento, lotado, visivelmente desconfortável, em que, provavelmente, ainda por cima, cobrava-se para entrar, e onde a água custa, sei lá, uns R$ 10 reais por garrafa. Havia ainda mais gente na fila, do lado de fora, que no ambiente e todos aguardavam com um aspecto de paciência bovina, inclusive os últimos a chegar (que só conseguiriam entrar dali a umas 14 horas). Era um dia lindo de sol. Ainda assim, por alguma razão, aquelas pessoas, nas poucas horas de folga que têm em suas vidas, preferiam estar naquela fila que trazia a promessa de diversão, uma promessa que só seria cumprida através da concordância coletiva (visto que, se cada um pensasse individualmente, veria que aquilo nao era divertido). Por quê? Enquanto isso, nós andávamos por ali, aproveitando o sol e até encontramos um banco para observar sentados o poente enquanto tínhamos uma conversa agradável depois de irmos à exposição de gravuras de Miró. Tudo grátis e sem fila!

E quem lustra?

Ah, tá que só campeões e chefes de estado tocam na taça. E quem lustra?

Arte

Arte tem que incomodar. Se não, é só pra combinar com o sofá e com a cor da parede.

Tristezas e umbigos

Continuamos a lida sem saber juntar as tristezas de um modo a criar alegrias compartilhadas. Embora elas pareçam incompatíveis, as tristezas, elas têm suficientemente em comum em nossa humanidade, mas nos mantemos a olhar apenas para nossos próprios umbigos.

© 2014 Alessandro Martins

Theme by Anders NorenUp ↑