Somos como as esculturas de pedra: geradas não pelo que delas ficou, mas também pelos pedaços que foram arrancados no processo. Em boa parte somos o que temos de presença. Mas o que seríamos se não fossem as ausências?