Nada mais democrático que os votos de festas de fim de ano, que permitem que até aqueles que, por gestos, comportamentos e atitudes, provocam grande infelicidade possam, por palavras, desejar um Feliz Natal a todos. Eu desejo a você e a mim que tenhamos um 2015 em que sejamos capazes de chegar a dezembro sem precisar de lugares comuns e palavras vazias, pois tudo foi dito e, acima de tudo, feito ao longo dos outros meses e, assim, contemplemos mudos e de fato felizes as luzes, os presentes, os enfeites e o amor verdadeiro: aquele que não se diz, mas se realiza.