A jaula imaginária dela era tão intensa que, quando teve que seguir adiante sozinho – pois ela decidira ficar ali encarcerada -, ele prendeu o pé nas grades durante algumas semanas.